seta
Prognum Informática

Informações relevantes do mercado do Crédito Imobiliário

Notícias - Dezembro de 2021

Ailos: implantação do SCCI Corp é feita em tempo recorde!

Sistema da Prognum Informática dará suporte para um crescimento de 1.694% em cinco anos

Com 19 anos de mercado, 13 cooperativas filiadas em Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul e uma carteira de crédito geral que ultrapassa a casa dos R$ 9,6 bilhões, a Ailos aposta e investe pesado na sua carteira imobiliária, que hoje é de R$ 1,7 bilhão. A contratação do SCCI Corp, Sistema de Gestão de Crédito Imobiliário da Prognum Informática é apenas o primeiro dos vários passos que estão sendo dados para, em 2026, essa carteira chegar a R$ 4,2 bilhões, conforme prevê o Sistema de Cooperativas de Crédito.

A Ailos nasceu há 19 anos fortalecendo as cooperativas filiadas que têm por objetivo realizar o sonho da casa própria e formar poupança de seus cooperados. Hoje, sua carteira de crédito imobiliário cresce em torno de R$ 70 milhões mensais, de acordo com Caroline Kupas, Especialista de Crédito. Segundo ela, era preciso contar com um ferramenta flexível e que desse todo o suporte necessário para o crescimento considerado “espantoso” para gerir essa carteira de créditos imobiliários, que não para de crescer.

- Desde quando o Banco Central liberou as cooperativas a atuarem no SFH e no SFI, em novembro de 2019, sentimos a necessidade de adotar uma ferramenta de gestão de crédito imobiliário que sustentassse o nosso crescimento. O SCCI, da Prognum Informática, oferece muita flexibilidade de parametrização, o que era fundamental para o nosso formato de multiempresa. A ferramenta nos atendeu – explica Elaine de Souza Pereira, Product Owner.

O contrato foi assinado em 18 de junho deste ano e, em três meses, o sistema já estava rodando na Ailos. É um recorde, e não há dúvidas que isso se deu por conta da excelente interação entre as equipes de desenvolvimento do cliente e da Prognum Informática.

- Foi uma implantação muito desafiadora. A gente entendia as soluções que a Prognum Informática oferecia, mas era preciso adaptá-las às nossas necessidades. Houve uma integração total entre nós e a empresa. Só a primeira liberação, com criação de fluxos e perfis, com uma parte inicial de parametrização, já levaria três meses. Mas conseguimos implementar o sistema, com cinco integrações liberadas, nesse tempo. E olha que tivemos muitas alterações, soluções readequadas, e a Prognum Informática sempre se comprometeu conosco. Trocávamos mensagens dia e noite, nos finais de semana, e conseguimos implementar em tempo recorde – relata Elaine.

Segundo a Especialista de Crédito, Caroline Kupas, o objetivo é prestar o melhor serviço para o cooperado realizar o sonho da casa própria. Ela diz que o SCCI Corp vai facilitar o fluxo de liberação e aprovação da proposta do pretendente.

- Este fluxo será bem mais rápido agora. Com o sistema anterior, levávamos, em média, 65 dias para liberar uma proposta. Com o sistema da Prognum Informática, pretendemos fazê-lo em 40 dias – informa ela.

Caroline afirma que já em 2022 a Ailos pretende acrescentar à sua carteira de crédito imobiliário o montante de R$ 146 milhões, mais do que o dobro dos atuais R$ 70 milhões captados mensalmente. Até 2026, a expectativa é incorporar nada menos do que R$ 2,5 bilhões, crescimento de 1.694% em cinco anos.

- O sistema será utilizado para a gestão de todo esse volume de créditos. Teremos um crescimento espantoso, a carteira se tornará muito mais robusta, então precisamos de uma ferramenta que agilize essa gestão e nos ofereça todo suporte. É o que esperamos da Prognum Informática – afirma.

Para um futuro breve, a Ailos já tem listada nada menos do que 30 melhorias, que vão do oferecimento de novos produtos (como aquisição de terrenos, aquisição para pessoa jurídica e aquisição de imóvel comercial), até a criação de canais digitais para os cooperados e uma completa reestruturação da gestão interna. Tudo para suportar um crescimento sustentável, com excelência no atendimento a quem mais importa nesta história, o cooperado.

Publicado em 01/12/2021

Prognum desenvolve simulador de financiamento imobiliário. Versão 9.26 do SCCICorp otimiza Módulo de Documentos

Outra novidade é a implantação do botão “esqueci a senha” na página principal do suporte online

A Prognum Informática desenvolveu um simulador de financiamento imobiliário que pode ser acessado por qualquer plataforma, de notebooks à smartphones, passando por tablets, desktops e netbooks. Baseado na tecnologia React, o simulador é responsivo, ou seja, adaptável a qualquer plataforma.

- Além da exibição em navegadores, como o Chrome, por exemplo, o simulador de financiamento imobiliário desenvolvido pela Prognum Informática é totalmente adaptável às demais plataformas. Isto significa que o seu leiaute é ajustado de acordo com a plataforma utilizada.  Se o sistema não for responsivo, ao mudar de plataforma ele apenas diminui o tamanho da tela, o que dificulta a navegação. No caso da tecnologia React, o sistema se adapta ao mobile perfeitamente, sem perda alguma – explica Filippo Dias Maio, que está respondendo pela Coordenação de Análise de Requisitos da Prognum Informática.

Por meio do simulador, o pretendente pode alternar a opção pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH) ou pelo Sistema Financeiro Imobiliário (SFI). Após preencher alguns campos, como valor do financiamento, valor do imóvel, renda líquida e idade, entre outros, o internauta obterá, dentre outras, as informações do valor da sua primeira prestação, além dos juros nominais e  efetivos.

- Um diferencial do nosso simulador é que o pretendente poderá escolher entre várias opções de seguradora, e isso poderá baratear o financiamento – destaca Fillipo.

A versão 9.26 do Sistema de Controle de Crédito Imobiliário (SCCI Corp), com distribuição para os clientes da Prognum Informática em 6 de dezembro, otimizou o Módulo de Documentos do SCCI e Originação. A partir de uma nova forma de codificar os documentos, sua geração está bem mais rápida. Em alguns casos, deixou de levar minutos para ser instantânea. Um exemplo de documento que está sendo gerado muito mais rápido é o quadro resumo para contrato de financiamento, que tem diversos dados, como nome, estado civil, sexo e demais informações do pretendente. Para se beneficiar desta otimização, os clientes deverão fazer um ajuste nos documentos.

Outra novidade, desta vez relacionada à excelência do atendimento ao cliente, é a criação do botão “esqueci a senha” na página principal do Suporte Online da Prognum Informática. O objetivo foi facilitar o acesso do cliente para essa eventualidade.

Publicado em 01/12/2021

6% das negociações de compra e venda de imóveis aconteceram integralmente na internet nos últimos 12 meses

Segundo a Abrainc, trata-se de uma tendência e este número deve crescer bem em 2022

A Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) informou que 6% das negociações de compra e venda de imóveis realizadas nos últimos 12 meses aconteceram integralmente pela internet, sem a necessidade de o comprador sair de casa. A entidade acredita que trata-se de uma tendência e que este número deve crescer bastante em 2022.

Segundo pesquisa da Abrainc, o preço médio das propriedades compradas por brasileiros é de em torno de R$ 240 mil. Tão somente 31% dos entrevistados conseguem adquirir a casa própria com valores superiores a R$ 250 mil, e, quando o fazem, são, na maioria, compradores com renda salarial acima de R$ 16,5 mil. A mesma pesquisa indica que 52% das pessoas compram imóveis por intermédio de imobiliárias e apenas 14% diretamente com os proprietários. Nas capitais, 51% dos compradores optam por apartamentos, mas esse número cai para 34% quando quem efetua a compra está em cidades do interior.

A pesquisa apurou, ainda, que nada menos do que 71% dos entrevistados demoraram, em média, seis meses para encontrar um imóvel e finalizar o negócio com o vendedor. A entidade acredita que esse período está diminuindo por conta do uso de tecnologias utilizadas por incorporadoras e imobiliárias. E mais: 55% dos consumidores usam algum tipo de experiência digital na hora de adquirir uma casa ou apartamento.

A pesquisa da Abrainc mostrou, também que o segmento imobiliário está cada vez mais informatizado, mas processos burocráticos precisam ser resolvidos, pois dados revelam que 62% dos compradores tiveram algum tipo de obstáculo na hora de comprovar renda ou em outras etapas contratuais. Setenta e um por cento dos brasileiros compram um imóvel para a própria moradia e apenas 28% como investimento, enquanto 1% adquire para seus filhos ou parentes.

A Abrainc informou que realizou a pesquisa entrevistando 14 mil brasileiros, entre os quais 850 pessoas que compraram imóveis nos últimos 12 meses. 

Publicado em 01/12/2021

Projeto de lei institui o Novo Marco de Garantias

Será permitido que um mesmo imóvel seja utilizado como garantia para mais de uma operação de crédito

Com o objetivo de baratear os empréstimos e financiamentos, o Governo Federal anunciou um projeto de lei instituindo o Novo Marco de Garantias. Uma das principais novidades será a permissão para que um mesmo imóvel seja utilizado como garantia para mais de uma operação de crédito, ainda que os empréstimos sejam feitos em instituições diferentes. O PL é considerado tão importante que o Presidente Jair Bolsonaro participou de cerimônia no Palácio do Planalto, ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Segundo o Subsecretário de Política Microeconômica e Financiamento da Infraestrutura, Emmanuel Sousa de Abreu, o uso de um mesmo imóvel como garantia de mais de uma operação de crédito poderá acontecer por conta da extensão da alienação fiduciária ou via instituições gestoras de garantias (IGGs). Segundo ele, a extensão da alienação fiduciária valerá em operações realizadas num mesmo banco. “Qualquer tipo de garantia pode ser cursado no IGG”, disse Abreu.

“Estamos devolvendo ao dono da garantia o seu direito de usá-la. Hoje, você vai ao banco com uma casa de R$ 1 milhão e pega R$ 100 mil emprestado, a casa toda fica para o banco. Está errado. Que tal pensar em uma empresa? Quantos empresários estão precisando de crédito mas não conseguem pegar por não terem garantia? O novo mercado de garantia torna o crédito mais barato para todos os empresários brasileiros, principalmente para os pequenos”, afirmou o Secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida.

O funcionamento das instituições gestoras de garantia será regulamentado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Já o Banco Central do Brasil vai supervisionar e autorizar o exercício das atividades dessas instituições. De acordo com o próprio Governo Federal, o PL também prevê o fim do monopólio da Caixa Econômica Federal sobre as operações de penhores. Assim, outras instituições financeiras poderão fazer penhor.

Publicado em 01/12/2021

Tribunal de Justiça do Distrito Federal reconhece assinaturas eletrônicas, mesmo sem certificado digital emitido pela ICP-Brasil

5ª Turma Cível anulou sentença que havia extinto uma ação de execução, determinando o retorno dos autos à origem

A 5ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal anulou uma sentença que havia extinto uma ação de execução. O colegiado determinou o retorno dos autos à origem para  prosseguimento. A 5ª Turma Cível entendeu que deve-se reconhecer as assinaturas eletrônicas, mesmo sem certificado digital emitido pela Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil), uma vez que garantida a devida identidade dos signatários.

Segundo a assessoria de imprensa do TJ-DF “um fundo de investimento executou judicialmente uma cédula de crédito bancário após a inadimplência do réu. Na primeira instância, entretanto, o processo foi extinto sem julgamento. O magistrado observou que o contrato foi assinado com um método de certificação privado e que a assinatura digital não possuía a certificação necessária da ICP-Brasil”. A assessoria explicou que em recurso, o autor alegou que as assinaturas eletrônicas fornecidas pela autoridade certificadora privada identificam os signatários a partir de registros como e-mail, telefone celular, endereço de IP, nome e CPF.

Relator do caso no TJ-DF, o Desembargador Josaphá Francisco dos Santos usou como base a Medida Provisória 2.200-2/2001, que instituiu a ICP-Brasil. Ele lembrou que a norma "não veda ou restringe a utilização de outros meios para comprovação de autoria e integridade de documento eletrônico", desde que admitidos como válidos pelas partes ou aceitos pela pessoa a quem for oferecido. Além disso, a Lei 14.063/2020 trouxe espécies de assinaturas eletrônicas com certificados não emitidos pela ICP-Brasil, utilizando-se do mesmo critério de manifestação da vontade das partes. O relator considerou que a execução foi extinta prematuramente, já que a assinatura eletrônica com certificado da ICP-Brasil "não é o único modo de se concluir pela integridade e autoria do documento digital".

Publicado em 01/12/2021

Segmentos de escritórios da capital paulista tem vacância de 22,7% no terceiro trimestre do ano

Segundo a Canuma Capital, a pandemia levou o mercado imobiliário comercial de São Paulo para índices de cinco anos atrás

Uma pesquisa realizada pela Canuma Capital apontou que há, no terceiro trimestre do ano, uma vacância média de 22,7% no segmento de escritórios da capital paulista, o que levou o mercado imobiliário comercial de São Paulo para índices de cinco anos atrás. De acordo com o sócio e fundador da Canuma, Marcelo Vainstein, antes da pandemia do novo coronavírus a vacância média do mercado paulistano alcançava somente 8,9%.

 “A covid-19 e recessão de 2020 trouxeram novos desafios ao segmento”, afirma ele. A pesquisa da Canuma Capital envolve prédios corporativos considerados “premium” em São Paulo, em um total de mais de 2 milhões de metros quadrados de área locável. “Os melhores prédios de São Paulo tinham apenas 160 mil metros quadrados de área em oferta, agora são 477 mil, quase três vezes mais”, garante Vainstein.        

O executivo não vê semelhança entre este momento e a crise de 2015 e 2016. “Mesmo se o país não tivesse mergulhado na recessão de 2015 e 2016, teria havido na época um desequilíbrio de oferta e demanda. Agora, o problema é que a demanda líquida praticamente desapareceu nos últimos seis trimestres”, afirmou, pontuando que o mercado atual não apresenta oferta excessiva, enquanto em 2016 quase todas as regiões de São Paulo estavam superofertadas.

“É muito cedo para fazer uma interpretação mais precisa, uma vez que mais da metade das empresas ainda não tomou decisão definitiva sobre a nova política de trabalho, mas, olhando as pesquisas aqui e no exterior, aproximadamente 80% a 90% das empresas e empregados querem introduzir ou aderir ao trabalho híbrido. Estimamos que o impacto do trabalho híbrido e a paralisação da tomada de decisão de novas expansões de espaços físicos já contribuíram com o aumento da vacância em torno de 7 pontos percentuais. É mais da metade do aumento total da vacância de quase 12 pontos no último ano e meio, de 11% para 23%. Existe um hiato de entregas de estoques e, portanto, se não houver um crescimento em 2022 a oferta do fim do ano que vem e de 2023, em algumas regiões, poderá pressionar o mercado”, finaliza ele.

Publicado em 01/12/2021

Especialista diz que setor imobiliário chinês corre risco de colapso sistêmico

Yan Wang afirma que a imposição de uma regulamentação forte do governo chinês pode gerar um problema para o setor

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o Estrategista-chefe para China e Mercados Emergentes da Alpine Macro Investment Research, Yan Wang, disse que o setor imobiliário chinês corre o risco de colapso sistêmico. Wang acredita que o país precisa relaxar as políticas para o segmento rapidamente porque o risco-chave é o governo chinês continuar a impor uma regulamentação forte, o que pode gerar um "problema maior" no setor.

Ao participar do evento Itaú Macrovision, Yan Wang afirmou que nos últimos dias houve evidências de que as taxas de juros estão diminuindo e os desenvolvedores imobiliários podem promover mudanças. Segundo ele, o crescimento da China está menor, "o que é um problema para o mundo".

Segundo o especialista, a economia da China apresentará um aumento de produtividade maior que o resto do mundo, o que gera pressão sobre a moeda. No entanto Yan observa que há uma mudança na formulação de políticas do país rumo a um modelo mais impulsionado pelo consumo, o que tende a reduzir as preocupações com a força da moeda. 

Publicado em 01/12/2021

Segmento imobiliário de alto padrão teve crescimento de 3,21% de junho de 2020 a junho de 2021, em São Paulo

No Rio de Janeiro, o crescimento foi de 10%

O setor imobiliário se mostrou resistente à pandemia e às incertezas geradas pela política econômica do país, e o segmento de alto padrão, especialmente, vem apresentando números muito positivos. Segundo pesquisa realizada pelo DataZap+, houve aumento na participação dos apartamentos de luxo em São Paulo de 3,21%, considerando o período de junho de 2020 a junho 2021. No Rio de Janeiro, a alta de apartamentos de luxo, que custam acima de R$ 2 milhões, foi de 10% em 2021, 3% a mais que o mesmo período de 2020.

Segundo a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) até o 3° trimestre de 2021 o acumulado de vendas de imóveis com valores acima de R$ 1,5 milhão foi 23% maior que em 2020, com 13.906 unidades. Já na soma de lançamentos na cidade de São Paulo, o salto é 232% maior referente a 2020, com 23.989 lançamentos.

De acordo com o Secovi-SP, a comercialização de residências com valor acima dos R$ 1.5 milhão cresceu em 2021: de janeiro a setembro, somam 1849 unidades vendidas em São Paulo, 43% a mais que em 2020. Os lançamentos foram de 29% mais em relação a 2019. No Rio de Janeiro, segundo a Ademi e o Sinduscon Rio as vendas de imóveis de luxo foram 72% maiores se comparado ao ano anterior, também de janeiro a setembro.

Publicado em 01/12/2021

Superlógica e Arbo unem forças para enfrentar Loft e QuintoAndar

Superlógica entrará como sócia da Arbo. Montante do aporte de dinheiro não foi revelado

Imobiliárias digitais que dominam o mercado, a Loft e a QuintoAndar podem ter companhia muito em breve. A Superlógica e a Arbo estão se associando, de olho neste mercado. “Não seremos uma imobiliária digital, mas ajudaremos as imobiliárias a reduzir a distância com as digitais em termos de tecnologia”, diz o Presidente da Superlógica, Carlos Cêra.

Segundo o acordo firmado, a Superlógica entrará como sócia da Arbo e vai migrar sua área imobiliária, com gestão de aluguéis para imobiliárias, para a empresa. O aporte de dinheiro acertado não foi revelado publicamente. A Superlógica administra em torno de 100 mil condomínios em todo o Brasil, alcançando um faturamento anual de R$ 200 milhões aproximadamente.

De acordo com Cêra, a Arbo está crescendo mais que a Loft e a QuintoAndar porque as  imobiliárias tradicionais precisam entrar no mundo digital para se manter no mercado. A Arbo terá vida própria e seguirá sendo comandada por seu fundador, Manoel Gonçalves. A nova Arbo chega com 4,4 mil imobiliárias acopladas e espera dobrar de tamanho no ano que vem e, depois, em 2023. Segundo Gonçalves, a plataforma recebe atualmente recebe em torno de 100 novas imobiliárias mensalmente. “Nós ajudamos a devolver a competitividade às imobiliárias”, diz ele.

 Segundo o fundador da Arbo, ao contrário da Loft e da QuintoAndar, sua empresa não tira as empresas tradicionais da venda ou do aluguel de imóveis; ao contrário, ajuda esses negócios a cresceram digitalmente. “Nós já estamos em 300 cidades, e a maior imobiliária digital está em 50”, pontua Cêra.

Vale lembrar que a Arbo, que tem sede em Londrina, recebeu um aporte de R$ 20 milhões de um grupo de fundos de venture capital para acelerar seu crescimento, e novas aquisições não estão descartadas. Já a Superlógica recebeu autorização do Banco Central para se tornar uma instituição financeira. “Cerca de 60% dos nossos preferem usar o nosso banco”, garante Cêra

Publicado em 01/12/2021

Incorporadora pernambucana Moura Dubeux diz que meta de 2021 já foi alcançada

“Não temos sinais para desacelerar lançamentos”, diz seu Presidente

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o Presidente da incorporadora pernambucana Moura Dubeux, Diego Villar, disse que as metas para 2021 já foram batidas. Segundo ele, no início deste quarto trimestre o ritmo de vendas está semelhante ao do início do trimestre passado. “Não temos sinais para desacelerar lançamentos”, disse ele.

Villar disse que a elevação dos juros preocupa o mercado, tornando-o mais desafiador, mas a expectativa da empresa é que lançamentos e vendas sejam “um pouco melhores do que os deste ano”. A Moura Dubeux não fechou, ainda, seu orçamento para 2022. Segundo seu Presidente, no terceiro trimestre o lucro líquido foi de R$ 25,7 milhões. A receita líquida caiu 19,3%, para R$ 160,3 milhões, no entanto a margem bruta pulou de 29,7%, no terceiro trimestre de 2020, para 38,2% no período de julho a setembro.

Segundo o Diretor Financeiro e de Relações com Investidores da incorporadora, Marcello Dubeux, a companhia vive seu melhor momento em relação a posição de caixa, endividamento líquido e a banco de terrenos. O executivo informou que a empresa tinha caixa líquido de R$ 52,6 milhões. O estoque de terrenos correspondia ao valor geral de vendas (VGV) potencial de R$ 4,5 bilhões.

Publicado em 01/12/2021

Em outubro, venda de cimento recua 9,5%, se comparada ao mesmo mês do ano passado

Na comparação com o mesmo intervalo do ano passado, porém, a alta é de 7,5%

O Sindicato Nacional da Indústria de Cimento (SNIC) informou que em outubro foram comercializadas 5,4 milhões de toneladas do insumo no país. Esse montante representa um recuo de 9,5% frente ao mesmo mês de 2020, mas apresenta uma alta de 7,5% na comparação com o mesmo intervalo do ano passado.

Segundo a entidade, os números mostram que o período de maior crescimento no ano ficou no passado e que as vendas no setor estão sendo sustentadas pelo desempenho do mercado imobiliário e pela melhora na confiança do empresariado e do consumidor. O SNIC acredita que a desaceleração das atividades industriais, a elevação dos juros, a alta da inflação, o desempenho fraco das lojas de materiais de construção e a perda do poder de compra estão afetando a indústria do cimento significativamente.

"Apesar dos lançamentos e as obras imobiliárias se manterem em elevado patamar, as vendas de cimento vêm arrefecendo nos últimos meses”, afirmou Paulo Camillo Penna, Presidente do SNIC. Segundo ele, os altos volumes de chuva em outubro, principalmente no Sudeste e no Sul, também afetaram negativamente o desempenho do setor. “A preocupação da indústria do cimento continua relacionada ao alto endividamento — o maior nível da série histórica iniciada em 2005 — e à queda na renda do brasileiro, além dos conhecidos gargalos e aumento dos preços das commodities industriais como energia, coque, elétrica, sacaria, refratários e frete", finalizou ele. 

Publicado em 01/12/2021

Cohab-Curitiba entrega 39 imóveis em condomínio localizado no Centro da cidade

Foram contemplados inscritos com renda mensal acima de R$ 2,5 mil

A Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab-Curitiba) entregou em novembro as chaves de 39 novos moradores do conjunto New Residence, na Rua Comendador Macedo, no Centro da cidade. Foram contemplados inscritos com renda mensal acima de R$ 2,5 mil. Segundo a companhia, por se tratar de estúdios e apartamentos de um quarto, a maioria dos interessados mora sozinho ou são casais sem filhos.

A Cohab-Curitiba destacou que este empreendimento no Centro da cidade foi uma oportunidade rara para os inscritos, por se localizar no Centro da cidade. “Esta novidade foi possível graças às parcerias que fazemos com a iniciativa privada. Imóvel na região central, ideal para estudantes, aposentados que moram sozinhos ou jovens casais que estão começando a vida. Oferecemos condições especiais para facilitar a aquisição da moradia”, disse o presidente da Cohab-Curitiba, José Lupion Neto.

Os contemplados receberam descontos de R$14 mil reais no valor do apartamento e mais de R$ 8 mil reais pela isenção no pagamento de Registro de Imóveis e do ITBI (Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis), além da possibilidade de parcelamento da entrada em até 24 vezes. De acordo com a companhia, o New Residence é composto por uma torre de 13 pavimentos, e conta com 90 unidades ao total, entre estúdios e apartamentos de um quarto com 26 m² cada. A construtora, em parceria com a Cohab, disponibilizou 39 apartamentos com preços diferenciados para os inscritos da companhia.

O conjunto possui, ainda, dois elevadores, academia, lavanderia, aquecimento a gás, e dois espaços gourmet. Todas as unidades foram entregues com paredes brancas, azulejos nas áreas molhadas, esquadrias de alumínio com peitoril em granito e piso em porcelanato no banheiro.

Publicado em 01/12/2021

Itaú lança o Pula Parcela: clientes poderão pular até duas parcelas do financiamento imobiliário por ano

Valor das parcelas postergadas e os juros e encargos serão diluídos nas demais parcelas do financiamento

O Itaú Unibanco lançou, em novembro, o serviço Pula Parcela, disponível para clientes que possuem financiamento imobiliário e estão adimplentes: a partir de agora, é possível pular até duas parcelas do financiamento em um período de um ano. Segundo o banco, o serviço também está disponível para novos contratos e o valor das parcelas postergadas e os juros e encargos serão diluídos nas demais parcelas do financiamento.

"Ouvindo os clientes, percebemos que a inovação do Pula Parcela auxiliará muito na organização financeira, permitindo mais autonomia e flexibilidade para o seu dia a dia", disse, por meio de nota, o Diretor de Negócios Imobiliários e Consórcio do banco, Thales Ferreira Silva. Segundo o Itaú Unibanco, o serviço oferece ao cliente flexibilidade em seu planejamento financeiro. Aqueles que desejarem, poderão solicitar o Pula Parcela por meio do aplicativo do banco, que oferece simulação para o valor das parcelas após o adiamento.

Publicado em 01/12/2021

Casa própria: financiamentos chegam a R$ 17,85 milhões em setembro

Segundo a Abecip, o montante é 15% interior ao recorde mensal de R$ 21 bilhões, registrado em agosto

Os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) atingiram, em setembro, R$ 17,85 bilhões, informou a Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Segundo a entidade, o montante foi 15% inferior ao recorde mensal de R$ 21 bilhões observado em agosto, mas registrou crescimento de 38,2% na comparação com setembro de 2020. “Nos primeiros nove meses de 2021, o valor financiado atingiu R$ 154,69 bilhões, alta de 96,3% em relação a igual período do ano passado. Nos 12 meses compreendidos entre outubro de 2020 e setembro de 2021, o montante financiado somou R$ 199,86 bilhões, alta de 94,5% em relação aos 12 meses anteriores. Foram financiados em setembro de 2021, nas modalidades de aquisição e construção, 73,8 mil imóveis, resultado 18,2% menor que o de agosto. Comparado a setembro de 2020, observou-se alta de 75,6%. No ano, entre janeiro e setembro de 2021, foram financiados com recursos da poupança do SBPE 663,25 mil imóveis, resultado 137,7% superior ao de igual período do ano passado. No período de 12 meses, entre outubro de 2020 e setembro de 2021, o número de unidades financiadas com recursos da poupança foi de 810,97 mil, resultado 119,6% superior ao dos 12 meses anteriores (369,31 mil imóveis)”, informou a Abecip, por meio de nota.

Publicado em 01/12/2021

Cohab Londrina promove regularização fundiária na Vila Amaral II, na zona leste da cidade

Dez famílias já receberão os títulos de legitimação fundiária até o final do ano

A Companhia de Habitação de Londrina (Cohab-Londrina) iniciou um importante trabalho de regularização fundiária na Vila Amaral II, localizado na zona leste da cidade. Dez famílias residentes na região receberão títulos de legitimação fundiária, passando a ter a posse legal das residências. As certidões devem ser entregues ainda neste ano e, segundo a Cohab, outras seis famílias também serão posteriormente beneficiadas.

A Cohab-Londrina infirmou que entre maio e outubro deste ano foram executadas  diversas melhorias na Rua Nossa Senhora de Lourdes, onde residem as famílias. Entre as intervenções realizadas, estão obras de pavimentação; água e esgoto; rede elétrica; iluminação em LED; sinalização viária; calçadas e meio-fio; arborização; e implantação de galerias pluviais. O investimento total foi de R$ 181.500,85.

A iniciativa foi possível por meio da assinatura do decreto municipal no 1.176, de 21 de outubro, que regulamenta a nova Lei Municipal de Regularização Fundiária (lei no 13.215/2021). Baseada na Lei Federal no 13.465/2017, a norma proporciona mais agilidade e celeridade à execução dos projetos de regularização fundiária em áreas de propriedade do Município. Entre outros avanços, a nova legislação implementa a Certidão de Regularização Fundiária (CRF), através da qual a administração municipal define uma determinada área como sendo de Regularização Fundiária de Interesse Social (Reurb-S). Ao fazer isso, o Município assume a responsabilidade de implantar a infraestrutura necessária em locais que apresentam essa demanda, assim como providencia toda a documentação necessária para registrar o projeto urbanístico da área. Além disso, também se compromete a emitir os títulos que regularizam a ocupação das famílias. Todos os procedimentos são orientados por parâmetros destinados a garantir a segurança das comunidades e a preservação do meio ambiente.

Segundo a companhia, a ocupação da Vila Amaral foi iniciada, de forma irregular, em 1999, quando 19 famílias se instalaram em uma área de preservação ambiental, localizada na nascente do Córrego das Pedras. Naquela época, o local não contava com nenhum tipo de infraestrutura habitacional e urbana. Posteriormente, a região passou a ser classificada como uma ocupação consolidada e enquadrada como Regularização Fundiária de Interesse Social (Reurb-S).

Publicado em 01/12/2021

Pará: 224 famílias recebem cheque do projeto Sua Casa

O objetivo é a reconstrução e ampliação de residências de famílias em vulnerabilidade social do município

O Governador do Pará, Helder Barbalho, entregou pessoalmente para 224 famílias da cidade de Ourém, no nordeste do Pará, em 16 de novembro, um cheque de até R$ 21 mil para construção, reconstrução e ampliação de residências de famílias em vulnerabilidade social do município. Trata-se do projeto Sua Casa.

“As famílias que receberam hoje o 'Sua Casa', moravam em situação precária, sem condições ou de aluguel, mas que agora conseguem ver um horizonte melhor. Peço que vocês usem o recurso de forma adequada, e contratem o pedreiro, carpinteiro daqui da cidade. Vamos fazer o dinheiro circular aqui em Ourém”, disse Helder Barbalho, para os beneficiados. Segundo a Companhia de Habitação do Pará, o recurso concedido pelo Sua Casa está sendo expandido para todas as regiões. Segundo estimativas da companhia, o benefício já contemplou mais de 80 mil pessoas em todo o território paraense, de 2019 até setembro de 2021.

 “Estamos investindo cerca de R$ 2 milhões na ação de hoje, para que as famílias possam adquirir o material de construção, mas também estamos ajudando os moradores no pagamento dos pedreiros. Isso ajuda a trazer mais dignidade aos lares”, disse o Presidente da Cohab Pará, Orlando Reis. Para receber os benefícios, os interessados devem atender a critérios estabelecidos em lei. Após a inscrição, a Cohab seleciona gradativamente os candidatos com base na ordem de prioridades previstas nas diretrizes do programa. À medida que os candidatos são selecionados, a Companhia inicia o processo de avaliação e diagnóstico das moradias. A próxima fase consiste na análise socioeconômica pelo setor de Assistência Social, quando os técnicos vão averiguar a real condição social dos candidatos.

Publicado em 01/12/2021

Governo do Paraná construirá 389 casas em Cianorte

Protocolo de intenções já foi assinado com a construtora Pacaembu. Governador promete mil casas para a cidade

O Governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, assinou, no início de novembro, um protocolo de intenções com a construtora Pacaembu para a construção de 389 novas moradias em  Cianorte, na região Noroeste do estado. A parceria integra o programa Casa Fácil, que prevê que o Governo do Estado dê subsídios de R$ 15 mil por imóvel para custeio do valor de entrada a famílias com renda de até três salários-mínimos.

A Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar) prestará suporte técnico à obra. Copel e Sanepar ficam encarregadas dos serviços de energia elétrica e saneamento. “Estamos falando do maior programa de habitação do País. Serão 30 mil casas para todas as regiões do Paraná. E para aquelas pessoas que não têm condições de dar a entrada, é o Estado que vai pagar. Essas são as primeiras moradias, mas o projeto é para mil casas na cidade. O plano, porém, vai além. Junto com as casas vem um bairro todo planejado, com infraestrutura completa, parte dela por meio da Copel e Sanepar”, disse o Governador. Segundo Ratinho Junior, Cianorte é uma cidade polo da região e fundamental para o desenvolvimento do Paraná.

A Cohapar informou que o Residencial Bem Viver Cianorte vai receber cerca de R$ 54,5 milhões de investimento do programa Casa Verde e Amarela, do governo federal, com recursos do FGTS. A expectativa é de que as obras gerem em torno de 1.200 empregos diretos e indiretos. Os compradores poderão ter descontos variáveis do programa Casa Verde e Amarela, de acordo com a renda, e usar o saldo do FGTS para abatimento das prestações. Para obterem o subsídio estadual de R$ 15 mil, do programa Casa Fácil Paraná, os interessados devem se inscrever no site da Cohapar, em www.cohapar.pr.gov.br/cadastro.

O Prefeito da cidade, Marco Franzato, ressaltou o apoio que o município vem recebendo do Governo do Estado. “É um divisor de águas, não tenho dúvidas. A cidade passa por uma transformação por causa dessas obras. Reflexo dos nossos pedidos que foram todos atendidos pelo governador”, afirmou Franzato.

Publicado em 01/12/2021

Cadastre-se e receba noticias no seu email
Nome*: Email*: Empresa:
* campos de preenchimento obrigatório
voltar